PROFESSOR WALMIR BAHIA - ENGLISH 2


CONVERSANDO


A CULPA NÃO É DO PROFESSOR. ELE TAMBÉM É VÍTIMA

 

É fato comum no Brasil procurar bode expiatório. Não, me refiro, aquele bode expiatório: animal separado do rebanho, deixado sozinho a mercê da natureza como parte das cerimônias hebraicas; nem tão pouco ao Dia da Expiação, em Jerusalém, cuja descrição você pode encontrar na Bíblia Sagrada, em Levítico, cap. 16. Não me refiro, portanto, a eles. Refiro-me a uma época, não muito distante, em que os economistas do governo para justificar as altas taxas de inflação, e por tabela o fracasso no combate a inflação, apontavam o chuchu, a batata e até o cigarro como argumento para, tentar, justificar os contínuos e seguidos erros da política econômica.

 

Hoje, por outro lado, o bode expiatório para explicar e acobertar falhas de gestão, e negação de priorização da educação como mola mestra para o crescimento cultural e econômico, é o professor.  A fim, também, de mistificar um falso debate acadêmico são convidados inúmeros olheiros de plantão, que mais fazem visitas as escolas do que ministrar aulas. Porque existe uma diferença em conversar de escola, visitar escola, passear na escola e de adentrar a uma sala de aula e ensinar. Não é aquele discurso vazio “o professor não ensina, ajuda o aluno a aprender”. Muitos se convencem e se convenceram disso, isto é de ser, o professor um mero facilitador, cujo termo ainda está em cada canto das escolas, secretarias...

 

Tenho pensamento discordante, e quero que provem a min que estou errado. Pois, acredito que o professor ensina. Imagine aquela professora que pega a mão do aluno e lhe ensina o movimento de cada letra, visto a dificuldade do aprendiz. Ou quando o professor demonstra os caminhos da solução de uma equação, ou o percurso da reflexão. É claro que tem que haver a outra ponta: o compromisso do aluno com a aprendizagem. Isto porque o professor não vai obter êxito se  o aprendiz se fechar para o ato de aprender. Não é possível vitória se não houver uma equipe, um grupo buscando o sucesso; mesmo em competições individuais há uma equipe em prol daquele competidor. Como, por exemplo, digo aos meus alunos: quem faz o gol não é o técnico. Quem está em campo para fazer o gol são os jogadores. Logo, o técnico não pode ser o culpado pela derrota do time. Não sou eu, professor Walmir, que está sentado assistindo às aulas e com a mente fora da sala, brincando, olhando pela janela, com o MP3, ou celular. Não sou eu professor Walmir que vai estudar e responder as provas. Semelhantemente ao técnico não é ele que cobra o penalti e chuta bola fora. E a escola não é diferente do mundo real.

 

O fracasso no esporte, para aqueles que têm visão de conjunto, é repartido entre todos e não imputado a um único indivíduo. Concordo que no esporte individual no momento da entrega da medalha apenas um a recebe, todavia o competidor a compartilha com todos, pois ele sabe que ele é fruto de um trabalho de equipe para ser o vencedor. Na fórmula 1, exemplificando, ainda, o piloto tem uma equipe que o auxilia em toda temporada, é verdade que só o piloto sobe ao podium. Tudo bem é fato, entretanto o conjunto de atores que auxiliaram no desenho daquela vitória são, do mesmo modo vitoriosos; ou, se o contrário a derrota é partilhada por todos. E isto, é visão do todo, não da periferia do "achismo". O fanático é que elementos, de fora da razão e com argumentos voláteis vêem justificar ou caçar justificativas, que fundamentem a hipótese da culpabilidade dos professores porque eles não têm interesse em solucionar um problema. O que querem é o bode para apontar e esconder as falhas de gestão.

 

No âmbito escolar, a culpa pelo fracasso do aluno é o professor. Mesmo que os governantes não equipem a escola com o mínimo necessário: piloto, papel, livro,... Idem para o caso em que a situação nutricional de carência do educando por conta de alimentação inadequada e deficiente. Adicione a situação de miserabilidade familiar e some a falta de merenda escola, água, banheiros inapropriados, salas imundas, carteiras quebradas, falta de civilidade, marginalidade que acercam os estabelecimento, reflexo de uma sociedade perdida nos seus valores humano. Conjunto de coisas construídas por falta de visão de dirigentes que não priorizam o ensino e aprendizagem como metas. Não estabelecem uma espécie de "proer" para salvar as famílias carentes, tal qual feito com os banqueiros. É, em sendo assim, o professor único anfitrião dos infortúnios educativos? Aqueles que apregoam o professor como mestre satã das mazelas educativa o fazem por engano ou premeditados?

 

Ou, embarcando na reflexão querem o professor como o bode expiatório,  semelhante ao chuchu, a batata e o cigarro com o objetivo de justificar os altíssimos índices de evasão, repetência, desinteresse, apatia. É o “réu-professor” o eleito por todo tipo de técnico, políticos e curiosos como o criminoso, o responsável único pelos seguidos e costumeiros erros da política educacional da nação. Exemplificando, se o aluno é desinteressado é porque a aula é desinteressante. O professor não traz novidade para a sala, não usa uma roupa de Xuxa, não imita rambo, não se veste como palhaço, ou outra coisa parecida. O profissional de educação precisa requebrar, dar pulos, para que a aula chame a atenção do aluno; e, assim, tornar a aula muito interessante. Concordo com a ludicidade, e inclusivo é interessante visitar o site de professor Anselmo, pois ele trata muito bem o tema. Mas voltemos onde paramos, quando falava das opiniões que querem atribuir ao professor o insucesso do ensino nacional. Dizem eles que a escola tem computadores, data show, web câmera, tv de 29. E esse "pobre coitado ou coitada" nada faz. Não usa a modernidade com o intuíto de tornar as aulas mais dinâmicas, questionam.

bibliotecas repletas de clássicos, e o professor na mesma, com aquelas aulas expositivas não explorando o potencial do futuro leitor. A propósito, a culpa da falta de leitura é do professor porque ele não ler. Logo, o aluno não é leitor, por única culpa do professor. Certo? Errado! Ora, se isso fosse verdade, então a culpa do Brasil ter uma população de desdentados, seria é claro do dentista. Isto é, com base na premissa anterior do professor ser o culpado pelos males da educação. Em sendo assim, cabe aos dentistas a responsabilidade pelo fato do Brasil ser um país de desdentados. Será que os odontologistas aceitariam uma afirmativa de tal natureza, obviamente não.

 

 

Somem-se, ainda, os hospitais super lotados, macas pelos corredores, pacientes no chão, encostados as paredes, alguns gemendo de dores e implorando por atendimento. Outros aguardando na portaria o maqueiro que demora de chegar, por que precisa colocar um paciente em cadeiras de rodas, a fim de usar essa maca com aquele paciente da portaria, que acabara de chegar. Toda essa sorte de coisa é culpa dos médicos. Uma boa pergunta: o surto de mosquitos da dengue, que é ou são os culpados. Isto é os bodes expiatórios.

 

 

Em de acordo com essa tal lógica da culpabilidade, se como disse a premissa fosse verdadeira; a culpa das estradas esburacadas, cheios de crateras, sem acostamentos, também seria culpa dos engenheiros. Porque os engenheiros não fazem o serviço com amor, não usa a modernidade a fim de tornar o asfaltamento mais dinâmico, diminuindo os acidentes e a velocidade dos carros. E a violência urbana ou rural é culpa da policia porque prendem demais e, com isso, lotam os presídios, delegacias. Revoltam os presos e causa mais violência. Se a polícia prendesse menos os presídios não estariam lotados, um absurdo se isso fosse verdade.

 

Absurdo, de tamanha indignação, é dizer que a culpa da mulher ser estuprada é porque ela veste saia curta provocando o homem. Alguém em sã consciência aceitaria isso como verdade? Um tremendo desrespeito a mulher algo do gênero. Seria o mesmo que dizer que os bancos são culpados pelos assaltos, porque guardam muito dinheiro nos caixas e cofres, risível. Nenhum banqueiro iria ouvir tamanho absurdo sem uma reação a altura.

 

De tal modo assim, é urgente e necessário se buscar um verdadeiro resgate para a educação nacional. E isso significa investimento. Quando o governo cria cargos dando reajuste de mais de cem por cento há recurso. Quando é para educação gera gastos, não investimentos. A elite não vê educação para o povo como investimento, claro que raríssimos que já acordaram para isso. Entretanto, a maioria dirigente crê na educação como investimento, preferem usar o termo gasto, contabilizar como gasto. Noutra ponta em si tratando da educação para a elite, o termo é investir. Portanto, o professor que não é culpado de coisa alguma é tão vítima tão quanto o aluno. Pois são eles que passam oito horas em escolas: com sanitários quebrados, carteiras quebradas, salas sujas, sem poder fazer suas necessidades, com falta d’água, insegurança, assaltos, roubos, furtos, ameaças, ataques de gangs, falta de policiamento. São esses personagens que vivenciam os fatos, ensenam os capítulos da vida real numa escola. Logo, que todos os faladores de ocasião percebam, que quem faz educação, quem ensina, quem ajuda os jovens a ter perspectiva de uma vida melhor é o professor. Portanto, o professor aquele que lhe ensinou a falar o que você fala hoje merece respeito.  E não é o bode expiatório das mazelas criadas e plantadas pela elite, cujo único objetivo é faturar doa a quem doer.

VOLTAR TROCANDO IDÉIAS? [AQUI]

LEIA TAMBÈM:Precarização do ensino público afeta saúde mental de professores, Renato Godoy de Toledo.

[OUTROS TEXTOS]

e-mail para: professorwalmirbahia@yahoo.com.br

[NOSSAS AULAS] _[ ENCONTRE TUDO]_[FOTOS]_[APROVADOS]_ [VOLTAR]



Escrito por Walmir Santana às 05h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
    Categorias
      Todas as Categorias
      RESULTADO FINAL 5a SÉRIE
      RESULTADO FINAL 6a SÉRIE
      RESULTADO FINAL 7a SÉRIE
      RESULTADO FINAL 8a SÉRIE
      PESQUISAS E TRABALHOS
    Outros sites
      MENU PRINCIPAL
      ÍNDICE ALFABÉTICO
      ÍNDICE PRINCIPAL
      GRAMÁTICA WALMIR
      INGLÊS TAREFAS
      FOTOS
      UOL - O melhor conteúdo
      BOL - E-mail grátis
      Adjetivo do Grau Comparativo
      Alfabéto Fonético Internacional
      Afirmativa do Passado dos Verbos Regulares
      Afirmativa Verbo to Be
      Afirmativa do Passado dos Verbos Irregulares
      Afirmativa Present Continuous Tense
      +9000 CANAIS VIA INTERNET
      Pronome Demonstrativo
      TVs PÚBLICAS USA
      BBC CLICK PROGRAMME
      RETRO TV-VÍDEOS
      TEACHERS TV - UK
      EURONEWS
       TV TAL - LATINA
      TV - 2.600 TV CHANNEL
      BAND NEWS FM
      RÁDIOS INGLATERRA
      BOOKS AND VIDEOS
      INGLÊS INICIANTES
      CLÁSSICOS
      RÁDIOS AO VIVO - LISTA DE RÁDIOS: UNITED KINDOM
      FOX CHANNEL 8
      ALL TV - TV INTERNET
      TV TUGA
      BAHIA CULTURAL
      TVE-BAHIA[VIVO]
      LAZER E DIVERSÃO
      MEMÓRIA GLOBO
      TRANSLATER
      TV KNOB MOVIES
      NASA TV EDUCATIONAL
      NASA TV [USA]
      CANAL 10[ARG]
      CANAL 13[CHILE]
      DIGITAL 15[DOM]
      CANAL 29[ESPANHA]
      RÁDIOS DA BAHIA
      DEUTSCHE WELLE
      TVs ONLINE
      SUPER CANAIS
      GUIATVs ONLINE
      TV ARATU ON LINE
      TV UFBA
      LETRAS DE MÚSICA
      ALJAZEERA LONDON
      US RADIO LIVE
      TV REDE BRASIL VIVO
      ESCOLHA TV CANAIS
      GRAMÁTICA ON LINE
      CANÇÃO NOVA (OFICIAL)
      TV PARANAENSE
      RADIOS ON LINE
      TVs VIVO BRASIL
      TV PARANA EDUCATIVA
      TV UNIVERSITÁRIA
      TV CULTURA PARÁ
      TV COM PORTO ALEGRE
      TERRA TV
      COL. PEDRO RIBEIRO
      INTERNET MOVIE DB
      MOVIES
      CHANNEL
      O VIOLEIRO
      BFBS RADIO 1/2 ENGLISH
      METRO LYRICS
      LYRIC MANIA
      ELLEN SHOW USA
    Votação
      Dê uma nota para meu blog